Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blue Planet

Blue Planet

Filmes da minha vida #1

Para mim os domingos, seja em que altura do ano for, pedem sofá, manta, televisão e chá (não, não se trata de um cliché, mas sim do meu domingo de sonho). Infelizmente, depois de ter começado a trabalhar estes domingos idilícos são mesmo isso: uma utopia. Ainda assim, eu gosto muito de partilhar e por isso aqui vai uma série de filmes que me dizem muito, que tornam um domingo nhaq num domingo wow. São antiguinhos. Eu tenho um defeito muuuuuito grande: sou muito pouco reticente a filmes novos, o que é estúpido e não faz sentido absolutamente nenhum, eu sei. Mas se ao mesmo tempo estiver a passar o Patch Adams (que já vi umas 36452 vezes) e... a Forma da Água (vencedor de mil Óscares este ano) eu escolherei ver pela 36453ª vez o Patch Adams. Por isso, a minha cultura cinéfola (?) não é muito vasta. Vai aumentada quando me levam ao engano e não tenho outra hipótese se não ver um filme novo (aquele sonzinho dos Simpsons que remete para anjinhos e auras e nuvens e luzes brilhantes no céu pf).

O Rei Leão, The Lion King. A primeira cassete que recebi. A primeira vez que chorei ao ver um filme e que me apercebi que afinal os pais nem sempre morrem quando são velhinhos e têm cabelos brancos/jubas menos exibicionistas. Conceito de família, de comunidade, amor, muito amor, companheirismo, banda sonora espectacular. Muito, muito, muito bonito. 

Hércules, o primeiro filme que fui ver ao cinema - o já inexistente cinema do Bom Sucesso - como o tempo passa (não, não tenho 80 anos, mas sou muito dada ao saudosismo, é um facto). Claro que tinha que estar aqui! Músicas que perduram anos e anos. Muito bom! Brilha o Sol, Hércules chegou!!!!

Ainda durante a adolescência... Lembro-me que o primeiro livro - Harry Potter e a Pedra Filosofal - foi prenda de anos, à qual não achei piada nenhuma. Depois de alguma insistência de um amigo do colégio para ler, "é espectacular, Blue! Aprendes a fazer feitiços e eles andam num Colégio maior que o nosso!" comecei a ler e depois nunca mais parei. Fiquei completamente viciada e ficava sempre desejosa que viesse o próximo. Recordo-me de verter umas lagrimitas depois da morte do Sirius e do Albus Dombledore e também de ter tecido umas quantas palavras menos agradáveis para o Snape (mais tarde, obviamente que tive que dobrar a língua! Nem tudo o que parece é, Blue!).Lembro-me de rir feita tolinha com o Ron e as suas Ronices,... Grande saga! Parabéns J.K.! Só podiam ter sido os bons ares do Porto para te inspirar a escrever grande obra!

Tropa de Elite! Lembro-me tão bem de quando vi este filme! Foi num domingo daqueles super desinteressantes e que estava sozinha com a minha mãe. O meu pai tinha deixado este DVD em cima da mesa, pois tinha sido emprestado por um amigo que tinha dito que valia muito a pena. E como não estava a dar nada de jeito na tv àquela hora (para variar) decidimos ver. Estivemos quase, quase a desistir da ideia. Nossa que violência! Perdido por cem, perdido por mil. Tanto movimento, tanto disparo, tanta gritaria, tanto palavrão, era da maneira que não adormecíamos! Provocou em nós desconforto, mexeu com o nosso interior. Ouvimos falar algumas vezes sobre as favelas nos telejornais, mas com este filme tivemos a oportunidade de entrar nelas, de nos sentirmos seus moradores, de vivenciarmos o aperto de que é ser familiar de alguém que arrisca todos os dias a vida por alguém que não conhecemos. Foi desconcertante, foi um abanão, foi bom.

The Ring I, o primeiro filme de terror que vi tinha praí 12 anos! Estive uma boa quantidade de tempo relutante em atender telefonemas, algo que a minha mãe não percebeu e que o meu pai se ria à gargalhada!

Para a minha irmã, My Sister's Keeper. Outro daqueles que nos relembram que nem tudo o que parece é! Muito, muito bom! Um aperto no coração.

Gato preto gato branco. Epa tão bom!! Emir Kusturika está aqui <3 Porque 1/6 de mim é gipsy e pronto!

O Silêncio dos Inocentes, The Silences of Lambs. Anthony Hopkins?! Menos 30 anos e já marchavas! Adoro todo o seu misteriosismo e o seu Aniball Lecter ... desconcertante. Claps também para a Jodie Foster, que no meu ponto de vista esteve muito bem.

 Richard Gere, outro sonho de homem! Pretty Woman, Sonho de Mulher. Tão, tão perfeito! A Julia Roberts é um mulherão e o Richard ... ai o Edward Lewis!! Meninas, quem é que nunca sonhou com um Richard/Edward só para si?

The Constant Gardner, o Fiel Jardineiro. Outro! Ralph Fienes! Não, não pensem que faço questão de ver os filmes apenas pelas figuras que lhe dão vida. Não é de todo verdade, mas a uma boa história está sempre associado uma bela estampa. E esta? Malditas indústrias farmacêuticas que ganham milhões e brincam com todos nós, mas como se trata dos medicamentos (os comprimidos que nos deixam ficar na Terra mais algum tempo) muitos de nós fecham os olhos... Um amor daqueles!

Into the Wild, Christopher McCandless aka Alex Supertramp. Quantas já vezes já me/nos passou pela marmita despegar-me(nos) de tudo e viajar só comigo/connosco própria(os) e descobrir o mundo? És grande Alex!

Já num registo mais ligeiro, mas com seriedade na mesma, até porque se trata num dos meus sonhos, Pirata das Caraíbas - Por Estranhas Marés (Pirates of the Caribbean - On Stranger Tides)! Ai ai ai Johny (o meu fetiche, o meu sonho de homem), oitocentos e noventa e dois ai ai ais para o Captain Jack Sparrow! Obviamente que não perdi a oportunidade de o ver em 3 dimensões. Inesquecível! 

 

E por fim, o filme dos meus filmes, aquele que já perdi a quantidade de vezes que o vi e que me emociono sempre (o Titanic de muitas boas almas), uma das figuras que idolatro e que só podia ser representada por quem é, a história que mexe comigo - que me faz querer ser mais e melhor, que me faz querer sentir e fazer por ser especial, que me faz querer marcar a diferença e provoca em mim a vontade de contagiar tudo e todos.

Patch Adams! 

 

Viva às pipocas, aos ombros amigos e às almofadas!